Categorias
Partidos

O mito do Iniciativa Liberal, Parte 1

Se procurarmos no Google “Iniciativa Liberal”, deparamo-nos com um resultado da Wikipedia, que começa assim: “A Iniciativa Liberal é um partido político português de índole liberal, que defende a liberalização económica, política e social”. Se procurarmos o site, deles, ai está escrito que “O partido Iniciativa Liberal é o partido liberal de Portugal — o único partido português que defende mais liberalismo económico, mais liberalismo social, mais liberalismo político.”

À primeira vista, podemos pensar que é apenas um partido liberal, com a intenção de diminuir o papel do Estado na sociedade. Sendo eu um libertário, acredito que tal é importante, já que o estado é na maioria das vezes uma ferramenta de opressão. Mas a partir dai, encontro uma divergência com os ideias do Iniciativa Liberal. Enquanto eu pretendo substituir o estado por uma forma de governação horizontal, gerida pelos trabalhadores, a Iniciativa Liberal pretende substituir o estado por uma forma de oligarquia mascarada de liberalismo.

Antes de mais nada, não me oponho apenas ao IL. Oponho-me a todas as outras organizações políticas que pretendem manter ou aumentar o tamanho do estado, reduzindo o trabalhador a mera engrenagem no sistema. Inclui-se o PS, o PSD, o CDS-PP, o Chega, e por associação ao governo e por terem abandonado a via revolucionária, o PCP e o BE. Mas não me iludo ao ponto de pensar que a mudança chegará instantaneamente, e portanto, acredito que algumas instituições governamentais existentes, por más que sejam, são melhores do que a alternativa do IL.

Esta série de artigos tem como intenção ajudar a todos os que, acreditando na liberdade total, pensem que o IL quer o melhor para Portugal, os seus cidadãos e os seus trabalhadores. O IL não quer o melhor para si. Embora tenha algumas medidas meritórias, estas servem apenas como pano para esconder as suas verdadeiras intenções, a de aumentar o poder das grandes empresas e substituir o domínio estatal pelo domínio do Capital.

As personagens:

Comecemos por aqueles que compõem o partido, os seus membros. Mais especificamente, os seus membros principais. Comecei por pesquisar (vou ser honesto, abri o Linkedin e o Twitter!) sobre João Cotrim Figueiredo, João, Bruno Mourão Martins e Catarina Maia, dado que são alguns dos mais importantes na hierarquia partidária. Vamos analisa-los um a um.

João Cotrim Figueiredo é o presidente do IL, mas antes de o ser, foi, entre outros cargos, CEO do Privado Holding, entre Janeiro de 2009 e Junho de 2009. Ora, esta instituição era dona BPP, Banco Privado Português. A situação é complicada de explicar, e posso não lhe estar a fazer justiça, mas pode ser resumida num banco falido, num resgate do estado, e em administradores corruptos que recebiam vencimentos milionários. Ora, o banco só deixou de existir em abril de 2010. Logo, é difícil acreditar que ele não teve envolvimento ou conhecimento da situação.

João Luís Serrenho é o tesoureiro do IL, e já foi membro da direção e consultor de variadas empresas, mas mais importante, é candidato á presidência da direção da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa. Ora, isto incomoda-me, já é tesoureiro do partido desde dezembro de 2019 mas é candidato desde março. Ou seja, candidatou-se a um cargo de uma organização importantíssima a nível nacional, e depois tornou-se tesoureiro de um Partido. Se eventualmente for eleito, provavelmente terá que sair da sua posição como tesoureiro. Mas será incrível e suspeito ter alguém como presidente da CCIP que foi previamente uma importante figura partidária, especialmente de um partido que suporta medidas a favor das empresas e privatizações de empresas públicas.

Catarina Maia não pertenceu a nenhum banco corrupto ou se não se está a candidatar a algum órgão institucional, mas tem uma conta de Twitter, que é no mínimo impressionante para uma figura partidária. A 20/05/2012, data da visualização do seu Twitter, o perfil incluía o seguinte:

-Uma partilha de uma notícia de um site de direita libertária, acusado de ser uma plataforma para “inside trading” em Wall Street (negociar ilegalmente), que dizia que a ONU tinha pedido para pararmos de usar termos como marido e mulher, já que eram politicamente incorretos. Ora, o que aconteceu de verdade foi que a conta da ONU no Twitter publicou um tweet a pedir que se usasse nomes alternativos quando não estamos certos da identidade sexual de alguém ou quando nos referimos a um grupo. Não há qualquer menção do que é politicamente correto ou incorreto. Mas o que aconteceu, como costume, foi que o tweet foi apanhado por sites da direita radical, tirado do contexto e hiperbolizaram o seu conteúdo para ser espalhado para enganar leitores crédulos. E finalmente chegou até Catarina Maia, que, pertencendo a um partido a favor da liberdade, respondeu a essa notícia a transpirar de radicalismo de direita, publicação digna do Chega com um emoji sorridente.

-Uma publicação de uma imagem de um manual do terceiro ano, com a seguinte mensagem: “Do manual escolar «A Grande Aventura», Estudo do Meio, 3.º ano. Ficamos a saber que devemos pedir factura para que todos paguem impostos. Uma das cartilhas aprovadas pelo Ministério da Educação, a educar o contribuinte desde os 8 anos de idade.” Ou seja, Catarina Maia implica que educar os alunos a pagar impostos é uma manobra ideológica, com o propósito de obrigar todos a pagar impostos. Isto implica que Catarina Maia não acredita que todos devem pagar impostos. Como libertário, também me oponho ao conceito de impostos, mas Catarina Maia, além de apelar à fraude fiscal, está a ser hipócrita, já que trabalha para a Comissão Europeia, cujas receitas advém das contribuições estatais, que vem dos impostos que o estado estabelece, nomeadamente o IVA. Ou é Catarina Maia contra a fonte do seu rendimento? Se tal for o caso, sugiro que doe o seu salário aos contribuintes.

E não é tudo. Membros da hierarquia partidária já foram CEO de empresas como a Compal, Nutricafés e Sestercium, além de terem sido membros da administração de empresas, consultores e gestores de outras variadas empresas. Em suma, é um partido liderado e gerido por pessoas com duvidosas relações a empresas, que apelam à fraude fiscal e que suportam ideias da direita radical. Com esta informação, torna-se claro o porquê de algumas propostas eleitorais, a serem discutidas em futuros artigos.

Portanto, caro leitor, a partir de agora, sempre que vir alguma proposta do IL, alguma ideia espalhada por alguma figura partidária, pense bem, se isso é para o seu bem, ou para o bem dos bolsos dos políticos do IL e dos seus amigos.

Wiki

Por Onda Vermelha

¡Olá a todos! Daqui falam os criadores desta revista "Wiki" e "Revolat", que somos ambos estudantes. Esta revista, tem por base a partilha de alguns ensinamentos e lições essenciais , e de como podemos melhorar não só esta nação como também este mundo!

One reply on “O mito do Iniciativa Liberal, Parte 1”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s